Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

O que preferi não dizer no fogo cruzado das eleições de 2018

Que o país vem de anos de divisão ideológica não é novidade para ninguém, como em 2014 preferi me abster de discussões políticas. Falo abertamente de quem votei no primeiro turno, apostei em um projeto liberal, algo novo e com propostas que visavam diminuir o tamanho do Estado e como consequência barrar o consumo desenfreado da maquina pública, mais voraz do que um motor V8 preparado para extrair a máxima performance, meu voto foi para João Amoêdo do Novo. Segui o caminho oposto da maioria dos brasileiros, não depositar confiança em extremos ou em figuras políticas já consagradas, evitei mesmo a hipocrisia disfarçadas de belas palavras do coronel hipócrita da terra das fortalezas, mas infelizmente foram os extremos que passaram para o segundo turno.
Aqui a coisa fica mais complicada, não falei abertamente do meu voto e creio que nem seja importante expor minha posição, prefiro a tranquilidade da isenção, poucas pessoas sabem do meu voto, afinal tenho amizade com pessoas fanáticas, ceg…

Últimas postagens

Mais do que apenas 365 dias

Telejornalismo: o medo da imagem

Corte de árvore para realização de obras gera polêmica em Osasco

A morte de Chester Bennington, depressão não é frescura

Falando sobre música: o que o rock representa na minha vida

Falando sobre música: O rock argentino

Encontros musicais: Tom Jobim

Vamos falar de música

Justiça com as próprias mãos

Extremismo, o sentimento distante que mora ao lado